Busca rápida
barra
Busca detalhada

Home > Artigos > Cultura organizacional, folclore ou realidade?


Cultura organizacional, folclore ou realidade?

* Marcos Assi.

O tema é polêmico e motivo de discussão acadêmica e profissional. E mais uma vez evidenciamos que o assunto é muito dependente da vontade da organização (do entendimento sobre o assunto) ou pela imposição dos órgãos reguladores.

Mas por que é tão difícil o aprimoramento da tão falada cultura organizacional? Falta maior comprometimento do conselho? Da alta administração e dos gestores? E os colaboradores estão preparados para participar? Sim, a participação dos gestores da organização é de suma importância, pois comumente o exemplo vem de cima ou deveria começar pela alta administração.

Mas, o que é realmente cultura organizacional? A cultura organizacional ou também conhecida como cultura corporativa é o conjunto de hábitos e crenças estabelecidos por meio de políticas, normas, valores, procedimentos e expectativas compartilhadas por todos os membros da organização - vale a pena ressaltar por todos os membros da organização.

Deparamos-nos em nossa vida acadêmica e profissional a ausência de cultura, por exemplo, para os pronunciamentos contábeis internacionais. É evidente a ausência no mercado de profissionais com capacitação para aplicação de referidos pronunciamentos. É válido salientar que o USGAAP (Princípios Contábeis Americanos) e o IAS (normas contábeis padronizadas) já estão inseridas nas empresas com sedes e negócios nos Estados Unidos, Europa e Ásia, sem contar em empresas brasileiras com matrizes no exterior. Mas, por que estamos assim, um tanto desconfiados com isso?

A resposta não é tão complexa. Não existiam até o ano passado cursos confiáveis com temas sobre contabilidade internacional, com exceção dos in-company ou em pós-graduação. Mas será suficiente? Acreditamos que não, pois somente auxilia em identificar o caminho das pedras. Porém, os cursos de graduação deveriam inserir a disciplina em sua grade curricular com maior carga horária, para que nos próximos quatro anos tivéssemos profissionais de contabilidade com um mínimo de conhecimento na área.

E quando nos referimos a Gestão de Riscos? Existe cultura empresarial para identificação, aplicação e validação dos riscos? Existem algumas empresas preocupadas com o assunto, mas enfrentamos muita resistência e por esse motivo os profissionais de riscos e compliance tem sentido na pele a ausência desta cultura organizacional para riscos e controles. O esforço é muito grande, afinal, a ausência de clareza de objetivos, dos valores e principalmente dos princípios demonstram se a empresa tem suas questões bem definidas, formalmente estabelecidas e orientadas para médio e longo prazo.

Entretanto, quando a empresa tem como princípio responsabilidade corporativa e social e uma boa gestão do seu negócio, a implementação de métodos preventivos dos riscos corporativos são mais bem encarados e realizados. Mas, a empresa para dar certo deve fazer com que todos os funcionários tenham acesso aos seus objetivos, deve definir os valores e princípios, quando possível revisado periodicamente. Isso auxilia no processo de mudança e seu retorno pode ser de médio prazo, caso bem divulgado e aplicado.

Não será da noite para o dia que vamos mudar a cultura da organização, mas devemos implementar gradualmente este conceito no gestores do negócio, e sempre que possível apresentando fatos relacionados ao negócio que necessitam de melhores controles, minimizar riscos, maximizar resultados financeiros e contábeis. Não podemos esquecer o processo de continuidade do negócio e dos planos de recuperação de crises e desastres, necessários em momentos inesperados, alheios a nossa vontade.

Portanto, a cultura organizacional não pode ficar somente nos discursos, livros e artigos, deve ser implantada, aprimorada e divulgada, para que todos, mas todos mesmo, na organização entendam os motivos de controles e resultados mais eficientes e com qualidade. Afinal, aprimorar a cultura é responsabilidade de todos na organização.

* Marcos Assi é professor e coordenador do MBA Controles Internos e Compliance da Trevisan Escola de Negócios, e autor do livro "Controles Internos e Cultura Organizacional - como consolidar a confiança na gestão dos negócios" (Saint Paul Editora). Consultor de Riscos Financeiros e Compliance da Daryus Consultoria.

Fonte: RICARDO VIVEIROS



Outros artigos:

Mudando a Cultura Organizacional: quais histórias contamos?

Competência em gestão não é conceito, é cultura

A cultura familiar e seus reflexos no processo de sucessão e profissionalização nas empresas familiares




Compartilhe:




Comente